7 fatos incríveis que presenciamos na Expocacha 2018!

Tempo de leitura: 10 minutos

Expocachaça 2018, quem não foi perdeu uma incrível oportunidade de conhecer mais de 400 rótulos de Cachaça.

Além de uma festa para o apreciador e excelentes oportunidades durante e depois da maior exposição de Cachaça do planeta.

Expocachaça 2018: confira como foi a maior festa da Cachaça

Durante quatro dias uma verdadeira multidão pode provar novos blends, muita Cachaça nova e algumas tradicionais na feira.

Se você não teve a oportunidade de ir, sem problema.

Um ano passa muito rápido e quando você piscar os olhos, já estará no meio da correria para a edição de 2019.

Veja 7 fatos incríveis que presenciamos na Expocachaça 2018.
# 1 – Destilação em mini alambique

Não foi a primeira vez que se viu a cachaça saindo de um alambique na maior feira de Cachaça do planeta.

Mas seguramente foi a primeira vez que os visitantes da Expocachaça puderam ver de perto a destilação em um mini alambique.

Leandro Dias mostra a Leandro Marelli como funciona o sistema de refrigeração de água do mini alambique produzido pela Fábrica de Alambiques Santa Efigênia.

O aparelho foi produzido pela Fábrica de Alambiques Santa Efigênia, especialmente para a Escola da Cachaça.

Com capacidade para cinco litros de caldo, o mini alambique chamou a atenção de quem passava pelo estande da Escola.

A curiosidade era tanta que muitos chegaram a provar a aguardente ainda com mais de 60% de volume alcoólico.

A Escola da Cachaça aplica o curso Mestre dos Destilados e estava lá para mostrar que qualquer pessoa pode fazer a própria bebida em casa.

Com o mini alambique, além de Cachaça, é possível fazer rum, vodca, aguardente de melado, uísque e qualquer outro tipo de destilado.

Tudo de forma simples, rápida e muito profissional.

Veja também

– A grande pergunta de 2018: quanto custa um mini alambique

– Aprenda tudo sobre destilação caseira em menos de 10 minutos.

– Como montar uma microdestilaria começando do zero.

– 7 bebidas destiladas que você pode fazer na sua casa.

# 2 – Almoço na Garrafaria Serra Negra

Almoço na Garrafaria Serra Negra já se tornou o tradicional encontro de produtores, especialistas e apreciadores.

Já se tornou uma tradição na Expocachaça e não foi diferente na edição deste ano.

Lorenzo Naves, mais uma vez abriu o galpão da Garrafaria Serra Negra para receber amigos, apreciadores e produtores de Cachaça.

A feijoada aconteceu no segundo dia da Expocachaça e serviu para recarregar as baterias de uma jornada que seria longa.

Produtores aproveitam o momento para verificar as tendências de garrafas para suas Cachaças.

E se depender do portfólio da Serra Negra, o sucesso no visual já está garantido.

# 3 – Concurso da Expocachaça 2018

Outra tradição na Expocachaça se manteve firme este ano.

Sob o comando de Renato Frascino e Lorena Marinho, do Laboratório Labm, um grupo de especialistas escolheu as melhores Cachaças presentes na feira.

Produtores aguardam o anúncio das medalhas para as Cachaças vencedoras na Expocachaça 2018 – Foto: Expocachaça

A metodologia de escolha seguiu a mesma.

Durante a feira, a organização do concurso recolheu amostras nos estandes.

As Cachaças foram então degustadas, às cegas, em baterias realizadas na quinta, sexta e sábado.

Concurso na Expocachaça tem metodologia importada da Europa.

Desta vez, a inovação ficou por conta do ambiente de provas.

Renato Frascino adotou a experiência que adquiriu em suas viagens ao exterior e
Preparou um local capaz de ficar totalmente isolado da influência de aromas externos.

Uma verdadeira evolução em termos de concursos para Cachaça.

# 4 – Alunos do Escola da Cachaça

Alunos do Escola da Cachaça visitam Cachaçaria Nacional

Uma empresa com mais de dois mil rótulos de Cachaça, mas que tem seu peso voltado para o e-commerce.

Alunos da Escola da Cachaça são recebidos na Cachaçaria Nacional.

Assim é a Cachaçaria Nacional, que tem sede em Belo Horizonte.

Alunos formado pelo Curso Escola da Cachaça, que ensina todas as técnicas para se tornar um apreciador, estiveram na loja.

Alunos da Escola da Cachaça foram recebidos pela dupla Rafael Araújo e Marcos Couto na Cachaçaria Nacional.

Os dois fizeram questão de apresentar a loja, os rótulos, serviram um café e ainda promoveram uma roda de bate-papo com os alunos.

Entre os alunos havia também quem já se inscreveu no curso Mestre dos Destilados.

E claro que ter uma central de escoamento da produção, serviu de inspiração para os que pretendem entrar no negócio de fazer a própria Cachaça.

Rafael e Marcos mostraram que são mestres na arte de receber, negociar e ainda de quebra, oferecer uma boa Cachaça para a galera!

# 5 – Blends especiais

Quem visitou os estandes durante os quatro dias, teve a oportunidade de aprimorar o paladar.

É notável a evolução ano a ano das Cachaças produzidas em todos eles.

Carvalho Francês, carvalho americano, amburana e eucalipto. Blend bem interessante compondo a Unna Cachaça.

O encontro perfeito entre cachaças envelhecidas em tonéis de diversas madeiras deu as caras na Expocachaça!

E para o deleite do público, eles estão cada vez melhores.

Houve muitas ofertas.

Mas nós do blog Brasil no Copo selecionamos dois em especial.

Dois lançamentos que deixaram o público e o apreciador de Cachaça com gostinho de quero mais.

O primeiro deles, a Cachaça Unna, um encontro agradável e equilibrado das madeiras Carvalho Americano, Carvalho Francês, amburana e eucalipto.

As notas de mel e frutas secas tomam logo conta do aroma.

Na boca, a refrescância do eucalipto se encarrega de dar um tom exótico no único blend que provamos a carregar Cachaça envelhecida nesta madeira.

Um verdadeiro achado, que ao consumidor, na Expocachaça estava sendo vendido a R$ 120,00.

Blends especiais fazem sucesso na Expocachaça 2018

O outro rótulo que destacamos foi sucesso entre os jurados da Expocachaça.

A Cachaça do Anjo, de Antenor Albuquerque foi feita na mesma Fazenda onde se produz a Cachaça Prosa Mineira em Santa Rita de Caldas – MG.

Blend equilibrado da Cachaça do Anjo, de Antenor Albuquerque, em parceria com a Prosa Mineira. Foto – divulgação.

A bebida leva Cachaça envelhecida nas madeiras Carvalho Francês, Carvalho Americano, Amburana e Bálsamo.

O cuidado e os conhecimentos do master blender Antenor Albuquerque contou com Cachaças envelhecidas em tonéis de primeiro uso (todas), com tempo médio de um ano e meio.

Segundo Denis Machado, sócio do alambique, este primeiro lote teve o engarrafamento de apenas 457 garrafas.

E vem numa evolução.

O blend recebeu medalha de prata no Concurso Mundial de Bruxelas realizado em Recife este ano e agora sai de Belo Horizonte com a medalha de ouro estampada no rótulo.

Quem quiser precisa correr, pois a Cachaça que está sendo vendida pelo preço médio de R$ 200,00, está já no final…Fica a dica!

Para comprar a bebida, o apreciador pode recorrer ao site da Loja da Cachaça Prosa Mineira.

# 6 – Palestras de Cauré Portugal fazem sucesso na Expocachaça 2018

Um dos grandes mestres da fermentação no Brasil, esteve presente na Expocachaça.

E deixou sua marca!

Cauré Portugal levou aos produtores e a quem quisesse ouvir, novas informações sobre o processo de fermentação da Cachaça.

Embora 10 entre 10 produtores tem na ponta da língua a maneira correta de fermentar sua Cachaça, Cauré faz sempre questão de mostrar que há novos caminhos.

Cauré Portugal em palestra na Expocachaça 2018

É do mestre, por exemplo, a tese de que a fermentação é um dos principais componentes da ligação sensorial entre a Cachaça e o local onde ela é produzida.

E mais, para Cauré, “geografia é sabor”.

Com este conceito, ele reuniu produtores de várias partes do país, mostrando aos presentes as diferenças evidentes entre as bebidas.

Os produtores falaram de suas histórias e levaram o público presente a uma imersão na história de cada Cachaça.

Ao final, o público entendeu o que se quer dizer quando se fala em “Terroir da Cachaça”.

Tudo dito com muita clareza e simplicidade pelo mestre.

# 7 – Casais empreendedores fazem sucesso nos estandes

Não são poucos os casais de empreendedores que fazem da Cachaça, seu principal modo de vida.

O Brasil no Copo esteve em alguns deles e ouviu histórias extremamente inspiradoras.

No primeiro dia da feira falamos com o casal Juliano Siqueira e Gabriela Lanna, que embora não estivessem expondo este ano, são reconhecidos pelo belíssimo trabalho a frente da Cachaça Tiara.

Da Bahia veio o casal Lucas e Mila, da Cachaça Matriarca.

Incansáveis os dois permaneceram firmes em seus estandes atendendo pacientemente cada apreciador, que invariavelmente se tornava um novo fã da marca.

Lucas e Mila recebem amigos no Estande da Matriarca na Expocachaça 2018

No estande, além da branca

No Estande mais animado da Expocachaça, estava o casal Enaldo e Ariane, proprietários da loja Trilha Real.

O estande virou uma espécie de bar, com happyh  hour permanente nos quatro dias da Expocachaça.

Ao casal Enaldo e Ariane, um brinde do Brasil no Copo.

De Heliodora, em MG, vieram Lucrécia e Patrick

Lucrécia é filha de seu Zé Maria, que aos 63 anos, produz uma excelente Cachaça, na cidade de Heliodora.

Com pouco mais de 7 mil habitantes a cidade faz festa a cada início de safra para receber uma “fornada” nova no alambique do seu Zé!

Mas a Zé Maria, cachaça que traz no rótulo o nome de seu dono, há muito tempo já ultrapassou os limites de Heliodora.

Patrick e Lucrécia, no estande da Cachaça Zé Maria. Tradiçao de “pai para filha”

Na Expocachaça, provamos a Zé Maria e entendemos porque!

A doçura da-de-açúcar e o autêntico aroma de frutas frescas do campo estão fortemente presente dentro desta cachaça.

Lucrécia e Patrick são empreendedores e querem fazer da participação na Expo uma busca por novas experiências.

O casal sabe que é um desafio entregar o produto a um público que torna-se cada vez mais exigente.

Mas sabe também sabe que pode contar com a força da tradição e oferecer um rótulo que passa de pai para filha!

Quer aprender a fazer você mesmo a sua própria Cachaça em casa?