Novidade! Como ter uma marca de bebida destilada?

Novidade! Como ter uma marca de bebida destilada?

Tempo de leitura: 15 minutos

Como ter uma marca de bebida destilada?

O que exatamente eu tenho que fazer?

Será que isso dá lucro?

Calma, estas perguntas são feitas diariamente por muitos candidatos a empreender no mercado da bebida destilada.

Mas o que eu vou revelar aqui, vai te ajudar a escolher o melhor caminho para empreender neste mercado começando o mais rápido possível!

Como ter uma marca de bebida destilada

Agora, deixa eu te mostrar como empreender no incrível e lucrativo mercado da bebida destilada.

Mas antes, deixa eu te dar um panorama do que vem por aí, de acordo com especialistas em finanças e investimentos.

Eles esperam uma leve melhora na taxa Selic, aquela que mostra quando você deve apostar no mercado financeiro.

Mas esse aumento ainda não será nada animador para quem busca faturar com investimentos.

A não ser é claro, que você seja um expert em investimentos!

De acordo com os especialistas, haverá grandes oportunidades no setor do varejo.

Veja isso👇

Como ter uma marca de bebida destilada, o guia completo

Ou seja: ter uma empresa é de fato o melhor caminho para se empreender em qualquer momento!

E por que você deveria apostar logo no setor de bebida destilada?

Porque este mercado está bombando e avançando com a força de um foguete supersônico.

Veja isso👇

Como ter uma marca de bebida destilada

Sim, este é o melhor mercado para se ganhar dinheiro não só em 2021, mas por muitos anos!

Veja o que diz esta pesquisa👇

Você sabe como ter uma marca de bebida destilada?

Isso mesmo!

A pesquisa feita por um dos institutos mais respeitados do mundo em estudos sobre consumo global.

Ela diz que nos nos próximos 5 anos, o mercado de bebidas destiladas estará avaliado em quase meio trilhão de dólares.

Então, não há mais dúvida sobre que tipo de investimento você deve fazer já AGORA, certo?

Ok, agora veja tudo que você precisa saber para ter uma marca de bebida destilada!

Eu passei algumas semanas estudando sites gringos especializados em bebidas destiladas.

E claro, também verificando todas as leis aqui no Brasil.

Foram horas e horas de estudos e além disso, conversei com vários empreendedores aqui do Brasil e do exterior, sobre este assunto!

Agora eu vou compartilhar aqui com você, os resultados destes estudos!

E acredite, se você tinha alguma dúvida sobre como ter uma marca de bebida destilada, isso acaba hoje!

Bom, a primeira coisa que eu preciso te dizer é que se você um dia sonhou em ter uma marca de bebida destilada, existe um jeito prático, rápido e muito fácil.

Você pode começar por este mini curso TOTALMENTE GRÁTIS👇

O Guia completo sobre como ter uma marca de bebida destilada

E onde você quer estar quando este mercado explodir de vez?

No entanto, a melhor notícia é que no Brasil, pouca gente de fato, está olhando para ele.

E isso quer dizer que se você entrar nele AGORA, suas chances de sucesso serão maiores, mas muito maiores mesmo que as da imensa maioria.

Portanto, se você está lendo este post agora, sinta-se especial, pois o que eu vou te revelar aqui, tem o poder de colocar você AINDA HOJE, em um mercado de muito dinheiro!

Bom, recentemente eu revelei aqui que ter uma marca de bebidas agora não é mais privilégio de artistas, ou de pessoas com muito dinheiro.

E se você não viu este post, aqui está ele👇

Tudo que você precisa saber para ter uma marca de bebida destilada

Sim eu conto no post que agora, qualquer pessoa pode ter uma marca de bebida destilada.

Melhor do que isso…

Eu conto em detalhes todo o passo a passo criado por Leandro Dias, o empresário que montou a marca Middas Cachaça

A Middas é famosa por ser a única Cachaça do planeta a vir com flocos de ouro 23 quilates.

Ouro comestível de verdade.

Leandro Dias criou a marca aplicando conceitos modernos de marketing, que levaram a bebida a ganhar 7 medalhas em concursos internacionais renomados.

E tudo isso…

✅ Sem ter um alambique ou destilaria

✅ Não precisando contratar um monte de funcionários

✅ Sem enfrentar a burocracia pesada

✅ E com baixo investimento inicial

Hoje com o ensinamento do empresário, você pode ter uma marca de bebida destilada, seja ela: Cachaça, Whisky, Gin, Vodka, Rum, Bebida Mista, licor…Ou qualquer outra bebida de sua preferência.

E por que é importante você conhecer estes segredos, se quiser empreender neste mercado?

Porque até hoje, quando se pensava em ter uma marca de bebida destilada, tudo que passava na cabeça do empreendedor era: comprar um alambique.

E acredite, isso não é mais necessário.

Claro, ainda há quem queira se aventurar e investir alguns milhões de reais para ter uma destilaria.

Mas veja só o que eu descobri nas minhas pesquisas quando a busca é por montar um alambique!😱😱😱

Entenda porque pode definitivamente não vale a pena gastar um caminhão de dinheiro para ter uma marca de bebida destilada.

E o que eu vou mostrar é somente a parte da burocracia, ou seja, apenas uma parte do que você vai ter que enfrentar, caso queira montar um alambique ou uma Destilaria.

Sim, isso é parte do que você vai ter que fazer, se quiser investir em um alambique, ou destilaria.

Tudo pronto para empreender e ter a sua própria marca de bebida destilada? Então veja este minicurso TOTALMENTE GRÁTIS!

Como ter uma marca de bebida destilada

Segue a lista de exigências!

1. OBRIGAÇÕES ADMINISTRATIVAS

  • 1. Registro do estabelecimento dentro do prazo de validade;
  • 2. Atividades desenvolvidas de acordo com as previstas no registro do estabelecimento;
  • 3. Os produtos elaborados encontram-se devidamente registrados e estes registros encontram-se dentro do prazo de validade;
  • 4. Dados cadastrais do estabelecimento atualizados junto ao Serviço;
  • 5. Responsável Técnico pela Produção: ART/AFT ou documento correlato atualizado junto ao Serviço;
  • 6. Cumprimento da Obrigação de informação da produção do ano anterior, por produto (IN 19/2003/Dec. 6871/2009;
  • 7. Cumprimento das obrigações de informações de Declaração de Estoque em 31/12, Declaração de Safra, Ficha de Movimentação/ Manipulação Mensal de Cachaça e Guia de Livre Trânsito (Dec. 99066/90);
  • 8. Anotação do número do Cadastro do produtor;
  • 9. Cumprimento de Intimação anterior.

2. ASPECTOS GERAIS DO ESTABELECIMENTO

  • 1. Local isento de odores indesejáveis, fumaça, poeira e outros contaminantes;
  • 2. Urbanização da área externa;
  • 3. Limpeza da área externa;
  • 4. Limpeza e conservação do prédio;
  • 5. Dispositivos para impedimento ao acesso de animais domésticos, aves, roedores e insetos;
  • 6. Aplicação de programa de Controle Integrado de Pragas – CIP;
  • 7. Local para produtos devolutos;
  • 8. Sistema de armazenamento de resíduos antes de sua eliminação;
  • 9. Sistema de eliminação de efluentes e águas residuais;
  • 10.Planta industrial e Memorial de Instalações e Equipamentos atualizados junto ao Serviço;
  • 11.PPHO Água
  • 11.1   Disponibilidade de água potável para manipulação e elaboração dos produtos;
  • 11.2   Manutenção do depósito de água potável;
  • 11.3   Registros de controle laboratorial da potabilidade da água;
  • 11.4   Disponibilidade de tubulações distintas para água potável e não potável;
  • 12.Vestiários, sanitários e banheiros
  • 12.1   Localização;
  • 12.2   Iluminação;
  • 12.3   Ventilação;
  • 12.4   Conservação;
  • 12.5   Condições higiênico-sanitárias;
  • 12.6   Elementos para lavagem e secagem das mãos;
  • 12.7   Placa de Advertência para lavagem das mãos;
  • 12.8   Programa de higienização;
  • 13.Substâncias Perigosas
  • 13.1   Local exclusivo e de acesso restrito para guarda de substâncias perigosas;
  • 13.2   Integridade e legibilidade das informações dos rótulos das substâncias perigosas;
  • 13.3   Ausência de substâncias perigosas estocadas nas áreas de produção;
  • 13.4   Sanitizantes autorizados pelos órgãos competentes e próprios para as finalidades.

3. SEÇÃO DE DEPÓSITO DE MATÉRIA-PRIMA, INGREDIENTE E RÓTULO

  • 1.   Operações realizadas a tempo e em condições que excluam a possibilidade de contaminação da matéria-prima/ ingrediente;
  • 2.   Sistema de iluminação;
  • 3.   Sistema de ventilação;
  • 4.   Sistema de captação e escoamento dos líquidos (canaletas e ralos sifonados);
  • 5.   Conservação e funcionalidade da seção;
  • 6.   Programa de higiene e desinfecção da seção;
  • 7.   Meios para controle e impedimento de roedores, insetos, aves, contaminantes ambientais;
  • 8.   Rede de distribuição elétrica;
  • 9.   Matérias-primas e ingredientes: identificação, prazo de validade e estado de conservação;
  • 10.Matérias-primas e ingredientes depositados em estrados, prateleiras e armários;
  • 11.Local refrigerado para armazenamento de matéria-prima e ingrediente que requerem temperatura controlada;
  • 12.Edulcorantes mantidos em área especifica, devidamente identificados e mantidos sob controle;
  • 13.Todas as matérias-primas e ingredientes em depósito estão previstos nas CPP (Contagem Padrão em Placas) e rótulos dos produtos registrados.

4. SEÇÃO DE RECEPÇÃO DA MATÉRIA-PRIMA

  • 1.   Espaço para a realização das operações;
  • 2.   Fluxograma das operações;
  • 3.   Operações realizadas a tempo e em condições que excluam a possibilidade de contaminação do produto;
  • 4.   Sistema de iluminação;
  • 5.   Sistema de ventilação;
  • 6.   Disponibilidade de ponto de água para as operações de limpeza da seção;
  • 7.   Sistema de captação e escoamento dos líquidos (canaletas e ralos sifonados);
  • 8.   Conservação e funcionalidade da seção;
  • 9.   Programa de higiene e desinfecção da seção;
  • 10.Meios para controle e impedimento de roedores, insetos, aves, contaminantes ambientais;
  • 11.Rede de distribuição elétrica;
  • 12.Controle do ingresso de pessoas na seção;
  • 13.Conduta e higiene pessoal dos funcionários;
  • 14.Funcionários devidamente uniformizados;
  • 15.Uso de água potável na realização das operações;
  • 16.Recepção
  •    16.1.    Local de descarga da matéria-prima;
  •    16.2.    Sistema de seleção e descarte;
  •    16.3.    Higienização;
  • 17.Equipamentos, recipientes e utensílios apropriados e suficientes;
  • 18.Equipamentos, recipientes e utensílios em condições adequadas de uso, conservação e higiene;
  • 19.Pias dotadas de elementos adequados para lavagem e secagem das mãos;
Veja como ter uma marca de bebida destilada

5. SEÇÃO DE ELABORAÇÃO DO PRODUTO

  • 1.   Espaço para a realização das operações;
  • 2.   Fluxograma das operações;
  • 3.   Operações realizadas a tempo e em condições que excluam a possibilidade de contaminação do produto;
  • 4.   Sistema de iluminação;
  • 5.   Sistema de ventilação
  • 6.   Disponibilidade de ponto de água para as operações de limpeza da seção;
  • 7.   Sistema de captação e escoamento dos líquidos (canaletas e ralos sifonados);
  • 8.   Conservação e funcionalidade da seção;
  • 9.   Programa de higiene e desinfecção da seção;
  • 10.Meios para controle e impedimento de roedores, insetos, aves, contaminantes ambientais;
  • 11.Rede de distribuição elétrica;
  • 12.Controle do ingresso de pessoas na seção;
  • 13.Conduta e higiene pessoal dos funcionários;
  • 14.Funcionários devidamente uniformizados;
  • 15.Uso de água potável na realização das operações;
  • 16.Operações de sanitização da matéria-prima;
  • 17.Operações de extração da matéria-prima;
  • 18.Operações de manipulação dos ingredientes;
  • 19.Controle do ingresso de materiais na seção: embalagens, tampas, utensílios;
  • 20.Sistema de descarte de resíduos;
  • 21.Equipamentos, recipientes e utensílios apropriados e suficientes;
  • 22.Equipamentos, recipientes e utensílios em condições adequadas de uso, conservação e higiene;
  • 23.Pias dotadas de elementos adequados para lavagem e secagem das mãos.

6. SEÇÃO DE LAVAGEM / ENXAGUAMENTO DOS VASILHAMES

  • 1.   Espaço para a realização das operações;
  • 2.   Fluxograma das operações;
  • 3.   Operações realizadas a tempo e em condições que excluam a possibilidade de contaminação do produto;
  • 4.   Sistema de iluminação
  • 5.   Sistema de ventilação;
  • 6.   Disponibilidade de ponto de água para as operações de limpeza da seção;
  • 7.   Sistema de captação e escoamento dos líquidos (canaletas e ralos sifonados);
  • 8.   Conservação e funcionalidade da seção;
  • 9.   Programa de higiene e desinfecção da seção;
  • 10.Meios para controle e impedimento de roedores, insetos, aves, contaminantes ambientais;
  • 11.Rede de distribuição elétrica;
  • 12.Controle do ingresso de pessoas na seção;
  • 13.Conduta e higiene pessoal dos funcionários;
  • 14.Funcionários devidamente uniformizados;
  • 15.Uso de água potável na realização das operações;
  • 16.Conservação e funcionalidade do equipamento de lavagem a quente;
  • 17.Conservação e funcionalidade do equipamento de lavagem a frio
  • 18.Tratamento prévio da água reaproveitada no processo de lavagem/enxágue dos recipientes;
  • 19.Material de constituição dos recipientes utilizados;
  • 20.Segurança do recipiente utilizado quanto a riscos de transmissão de substancias indesejáveis ao produto;
  • 21.Recipientes utilizados contendo dizeres gravados condizentes com os produtos;
  • 22.Controle do ingresso de materiais na seção: embalagens, tampas, utensílios;
  • 23.Vasilhames lavados/enxaguados adequadamente;
  • 24.Operação de revisão dos vasilhames após lavagem/enxague.

7. SEÇÃO DE ENGARRAFAMENTO/ENVASAMENTO

  • 1.   Espaço para a realização das operações;
  • 2.   Fluxograma das operações;
  • 3.   Operações realizadas a tempo e em condições que excluam a possibilidade de contaminação do produto;
  • 4.   Sistema de iluminação;
  • 5.   Sistema de ventilação;
  • 6.   Disponibilidade de ponto de água para as operações de limpeza da seção;
  • 7.   Sistema de captação e escoamento dos líquidos (canaletas e ralos sifonados);
  • 8.   Conservação e funcionalidade da seção;
  • 9.   Programa de higiene e desinfecção da seção;
  • 10. Meios para controle e impedimento de roedores, insetos, aves, contaminantes ambientais;
  • 11. Rede de distribuição elétrica;
  • 12. Controle do ingresso de pessoas na seção;
  • 13.Conduta e higiene pessoal dos funcionários;
  • 14.Funcionários devidamente uniformizados;
  • 15.Uso de água potável na realização das operações;
  • 16.Controle do ingresso de materiais na seção: embalagens, tampas, utensílios;
  • 17.Equipamentos, recipientes e utensílios apropriados e suficientes;
  • 18.Equipamentos, recipientes e utensílios em condições adequadas de uso, conservação e higiene;
  • 19.Recipientes destinados ao envase dos produtos desprovidos de águas residuais;
  • 20.Operação de inspeção dos produtos após envase.

8. SEÇÃO DE DEPÓSITO DE PRODUTO A GRANEL

  • 1.   Espaço para a realização das operações;
  • 2.   Operações realizadas a tempo e em condições que excluam a possibilidade de contaminação do produto;
  • 3.   Sistema de iluminação;
  • 4.   Sistema de ventilação;
  • 5.   Disponibilidade de ponto de água para as operações de limpeza da seção;
  • 6.   Sistema de captação e escoamento dos líquidos (canaletas e ralos sifonados);
  • 7.   Conservação e funcionalidade da seção;
  • 8.   Programa de higiene da seção;
  • 9.   Meios para controle e impedimento de roedores, insetos, aves, contaminantes ambientais;
  • 10.Rede de distribuição elétrica;
  • 11.Controle do ingresso de pessoas na seção;
  • 12.Conduta e higiene pessoal dos funcionários;
  • 13.Funcionários devidamente uniformizados
  • 14.Material de constituição dos recipientes utilizados no acondicionamento dos produtos;
  • 15.Material de revestimento dos recipientes utilizados no acondicionamento;
  • 16.Recipientes sequencialmente numerados, com indicação da capacidade volumétrica e do produto;
  • 17.Realização das operações de carga e descarga com veículos que expelem gases de combustão fora da seção;
  • 18.Condições de armazenamento do produto;
  • 19.Registros da produção, por produto;

9. SEÇÃO DE DEPÓSITO DE PRODUTO ENGARRAFADO/ ENVASADO/ EXPEDIÇÃO

  • 1.   Espaço para a realização das operações;
  • 2.   Sistema de iluminação;
  • 3.   Sistema de ventilação;
  • 4.   Disponibilidade de ponto de água para as operações de limpeza da seção;
  • 5.   Sistema de captação e escoamento dos líquidos (canaletas e ralos sifonados);
  • 6.   Conservação e funcionalidade da seção;
  • 7.   Programa de higiene da seção;
  • 8.   Meios para controle e impedimento de roedores, insetos, aves, contaminantes ambientais;
  • 9.   Rede de distribuição elétrica;
  • 10.Controle do ingresso de pessoas na seção;
  • 11.Conduta e higiene pessoal dos funcionários;
  • 12.Funcionários devidamente uniformizados;
  • 13.Realização das operações de carga e descarga com veículos que expelem gases de combustão fora da seção;
  • 14.Produtos devidamente rotulados;
  • 15.Condições de armazenamento;
  • 16.Registros da produção e comercialização dos produtos (rastreabilidade);

10. CONTROLE DE QUALIDADE DOS PRODUTOS

  • 1.   Controle de Qualidade realizado de acordo com os parâmetros oficiais estabelecidos nos PIQ (Padrão de Identidade e Qualidade);
  • 2.   Controle de qualidade das matérias-primas e ingredientes dos fornecedores;
  • 3.   Controle da Rastreabilidade dos lotes dos produtos;
  • 4.   Registros das análises mantidos em arquivos e a disposição da fiscalização.

Fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA)/ Levantamento: www.sitedacachaca.com.br

Sim, eu sei…Você se cansou somente de ler as exigências.

Eu também!

Bom, você tem dois caminhos agora!

Pode tentar enfrentar a burocracia pesada para ter a sua propria marca de bebida destilada, ou pode seguir o passo a passo ensinado por Leandro Dias!

Quer o caminho certo para empreender no ramo da bebida destilada?👇👇👇

O Guia completo sobre como ter uma marca de bebida destilada

Leia também:

Como ser o dono de uma marca de bebida destilada sem ter alambique!